Memórias e Saudades

Vinicius de Moraes disse que saudade é a vontade de estar perto, se longe e mais perto, se perto.
Recentemente, em um almoço familiar, tivemos uma experiência de saudade muito significativa. Enquanto saboreávamos uma apetitosa feijoada e partilhávamos as bebidas geladas, um copo destacou-se em outros. Sua cor era azul, mas não era um copo azul qualquer. Era o copo que meu avô usava todos os dias em suas refeições. Como eu disse, aquele copo não era só um copo, mas um poço de contos e histórias. Um poço de rememorações e saudades.
Minha tia Penha, bem humorada, e que estava completando mais um aniversário naquele dia, perguntou: “Esse é o copo de pai?” Ao que outra minha tia, Marluce, respondeu: “Sim! É dele!” Curiosamente, notei que elas não usaram o verbo no passado. Naquele instante, emoções eclodiram em todos os presentes, nas formas inusitadas dos choros e risos, das memórias e das lembranças, as mais diversas.
Já não era só um copo, mas um objeto de saudade. Naquele exato momento, histórias, as mais diversas vieram à tona, fazendo com que a ausência de meu avô José Silvério Abdon se fizesse presente. Aquele copo havia sido tocado por suas mãos. Aquele copo havia sido o portador de diversas bebidas que meu avô ingeriu por necessidade ou prazer. Aquele copo transportou toda a minha família reunida naquela ceia-eucarística para os melhores tempos de nossas vidas, especialmente, os tempos onde houvera a manifestação dos mais singelos sentimentos de amor. Aquele copo havia sido lavado centenas de vezes pela minha avó Maria Nina Fernandes. Suas mãos carinhosas o lavaram e o enxugaram centenas de milhares de vezes.
No bom eterno momento de celebração das memórias, a alegria da vida nos visitou. Minha outra tia Marluce disse haver guardado aquele copo com muito carinho. Naquele momento, ela fez um gesto carinhoso e deu de presente aquele objeto de saudade para a tia Penha. Não é isso os que os poetas chamam de instante de eternidade?
Eu, de minha parte, quis registrar isso com o intuito de enfatizar que a saudade, além de ser um sentimento que consome a gente, igualmente nos refaz, nos recria, pois sempre se manifestando no coração das pessoas de bem.
Sim, Vinícius de Moraes estava certo: saudade sempre é um convite para as pessoas – de perto e de longe – se aninharem com a gente.

Comentários

SERVAMARA disse…
Bom dia, meu irmão em Cristo, obrigada por me relembrar que só o amor eterniza a nossa existência. Graça e paz lhe seja multiplicadas.

Postagens mais visitadas